10.7.07

Contrabaixo calibre 12

A Santo Antônio é uma das ruas mais feias do Bom Fim. É cinza e barulhenta e não tem árvores como a João Telles ou a Garibaldi, que são agraciadas por túneis verdes. Infelizmente, porque é a rua onde moro. Mas a Santo Antônio tem um prédio antigo, todo detonado, onde funciona uma escola de música. Não tem placa indicando o nome e, na real, nem sei se é uma escola, pode ser apenas um local de encontro de músicos, porque volta e meia, quando retorno para casa à noite, passo por ali e ouço um som com muita vida e energia, como só a música ao vivo pode proporcionar. Aí, a Santo Antônio se transforma, ganha beleza, ficando com uma atmosfera muito mais interessante. Ao lado da escola, num prédio grande e quadrado, funciona uma das sedes da Rudder, empresa de segurança conhecida aqui em Porto Alegre. Todos os dias dezenas de pessoas se amontoam ali na frente para conseguir um trabalho. O desemprego atinge índices cada vez maiores, o abismo entre ricos e pobres aumenta e, com ele, a violência, quem lucra com isso são as rudders da vida, que quadruplicam vertiginosamente seu patrimônio, entupindo de viaturas a Santo Antônio, deixando-a ainda mais desagradável.Numa tarde, passo por ali e vejo um dos guardas fazendo ronda em cima da marquise do edifício, ele tem uma doze nas mãos e tamborila os dedos no cano da arma. Da escola, vem um som de contrabaixo, alguém ensaiando. Olho pro negrão com a doze e sorrio com a coincidência. Parece que é ele quem está tocando o baixo. Ele me olha meio desconfiado, não entendendo o motivo daquele sorriso. Claro, o barulho da rua não permite a ele ouvir o instrumento. Sigo meu caminho...Porra!! Esse negrão não tinha que estar com uma arma na mão arriscando o pescoço para proteger o patrimônio alheio, deveria estar com um baixo, um trompete, um cavaquinho, nas mãos, tirando uma melodia como os pretos fazem tão bem.
Mas esse é o nosso mundo, e saber manusear uma doze é muito mais importante que saber tocar um contrabaixo.

Marcadores:

5 Comentários:

Às 4:49 PM, Anonymous Anônimo disse...

adorei.

 
Às 5:56 PM, Blogger RIC@RDO disse...

Muito bom o post Rafa!

Eu não sei manusear um contrabaixo, muito menos uma doze...mas entre esses dois ainda prefiro aprender a usar o contrabaixo...
To por fora mesmo... hehehe

 
Às 7:32 PM, Anonymous Tati disse...

Muito bom texto! Odeio quando quem nos acorda é a buzina dos carros ao invés do canto dos passarinhos... Poderia ser o som de um contrabaixo...

 
Às 6:24 PM, Blogger Gabriela Brito disse...

Lindo texto! muito lindo mesmo

 
Às 12:25 PM, Blogger Jefferson Pinheiro disse...

Pô, Rafael, tu devia escrever mais textos! Claro que você os escreve muito bem com os desenhos. Desta vez percorri a Santo Antônio com o baixo nas mãos e a escopeta apontada pra nós.

 

Postar um comentário

<< Home